Módulo Transmissor FM com Microfone e Conexão USB

sexta-feira 03/02/2017

Nas minhas fuçadas pela internet, encontrei um módulo que me chamou a atenção, transmissor FM com entrada USB, microfone, P2, além de display LCD para sintonia de frequência, volume e interrupção na transmissão.

Esse módulo é facilmente comprado no ebay por menos de 6 dólares e é encontrado com a seguinte descrição “DSP PLL 87-108MHz Digital Wireless Microphone Stereo FM Transmitter Module Board” (link para consulta no final do artigo).

modulo-fm-1


Principais características:

Potência de saída: 100 mW
Resposta em frequência do microfone: 50 Hz – 18 KHz
Frequência de transmissão: 87,0 MHz – 108,0 MHz
Modo modulação: padrão para rádio FM
Canais: LINE / USB (estéreos), MIC (mono)
Ruído equivalente: >30 dB (próximo a qualidade de CD)
Tensão de alimentação: DC 3,0 V – 5,0 V
Consumo de corrente: 35 mA
Antena de transmissão: telescópica com 75 cm

Distância de transmissão: até 100 metros com antena
Tamanho: 26,5x49mm


Modos de funcionamento:

1.      USB

Neste modo basta conectar um cabo USB com conector Micro USB Tipo B (igual de celular) ao módulo e a outra extremidade do cabo ao computador. Não precisa usar nenhuma fonte externa, o computador alimentará o módulo pelo cabo USB.

Como acontece com todo dispositivo USB conectado ao PC, ele será reconhecido e os drivers instalados (isso é automático).

Resultado após o reconhecimento:

modulo-fm-2

Para testar é bem simples:

  • Ligue seu aparelho de som e procure por uma frequência sem nenhuma estação.
  • Ajuste a mesma frequência no módulo pressionando as chaves FRE- e FRE+.
  • Abra seu player favorito no computador e selecione a saída de áudio como demonstrado na figura a seguir.

modulo-fm-3

  • Por último, reproduza alguma música.

O mesmo vale para uso do microfone de PC.

2.      LINE

O modo LINE é semelhante ao anterior, porém você precisa de um cabo P2-P2 para ligar seu PC/celular ao módulo. Neste caso, é necessário o uso de uma fonte de alimentação externa com tensão entre 3 e 5 volts.

A figura abaixo monstra bem todas a ligações:

modulo-fm-4

3.      Microfone

Neste modo basta alimentar o módulo com uma fonte externa (não usar a entrada USB) e pronto, o áudio capturado pelo microfone já será transmitido em FM na frequência selecionada.


Aplicações:

Os modos USB e LINE podem ser utilizados para transmitir suas playlists diretamente para um aparelho de som mais potente e organizar sua festa ou evento.

O modo Microfone pode ser utilizado para criar uma baba eletrônica de baixíssimo custo, coloque o módulo alimentado por uma pequena fonte no quarto do bebe e sintonize seu rádio relógio (por exemplo) na frequência do módulo, sempre que o bebe chorar você vai escutar.

Outra aplicação legal usando o modo Microfone é a criação de um karaokê caseiro.


Demonstração:

Preparei um vídeo com a demonstração de seu funcionamento que está disponível no YouTube.

 


Conclusões e considerações:

Apesar desse módulo ser muito interessante, ele deve ser utilizado apenas para protótipos ou hobby. Lembre-se, no Brasil qualquer equipamento comercial que utilize rádio frequência é preciso passar por homologação da Anatel ($$$).

Existem muitos outros módulos semelhantes a esse na internet a preços bem convidativos, mas acho que esse é um dos mais legais.

Tome cuidado ao utilizar rádio frequência, lembre-se, você está transmitindo informações que podem ser recebidas por qualquer rádio FM no raio de alcance do seu transmissor.


Link para compra do módulo:

http://www.ebay.com/itm/291722004450?_trksid=p2057872.m2749.l2649&ssPageName=STRK%3AMEBIDX%3AIT

 

 

Anúncios

Visita ao Engenho Maker

quinta-feira 22/12/2016

Você já ouviu falar do “Movimento Maker”?

O Movimento Maker ou Movimento dos Fazedores tem tudo a ver com o conceito faça como mesmo. Sempre que eu falo disso, lembro do desenho Família Urso dos anos 80. Nele o pai (Ursolão) sempre se metia a fazer tudo sozinho para economizar algumas pratas, na estória sempre dava tudo errado e ele acabava levando um surra da esposa (Ursola).

 

Esse conceito em inglês é chamado de Do-It-Yourself e é expresso pela sigla DIY. Para aqueles que, como eu, adoram comprar coisinhas da China pela internet, essa sigla aparece sempre associada a módulos ou plaquinhas para montagem de protótipos e projetinhos eletrônicos.

Se você curte construir, consertar, modificar ou fabricar coisas com as próprias mãos, saiba que você tem DNA Maker na veia.

O Movimento Maker tem tomado grande força pelo mundo e aqui no Brasil também. Na internet tem muitos sites legais sobre isso e recentemente muitos espaços especializados nisso foram criados para esse público.

Aqui, na cidade de São Paulo, existem várias iniciativas. Ontem à noite, tive a oportunidade de conhecer o espaço Engenho Maker que fica na Av. Dr. Dante Pazzanese, 120.

Eu e meu amigo prof. Renato Machado fomos recebidos por dois de seus proprietários (Renato Prado e Juliana Glasser) e o Tiago Lima do Portal Embarcados. Onde tivemos a oportunidade de entender um pouco melhor sobre o movimento Maker e o desenvolvimento colaborativo (coworking).

Esse espaço pode ser usado por pessoas de qualquer idade, basta ter uma ideia, vontade de fazer ou aprender. Lá você encontra espaço de marcenaria, impressoras 3D, máquinas de corte à laser, ambiente para discussão de ideias e muita gente interessante e criativa que pode te ajudar.

Particularmente, achei o lugar muito legal, dá vontade de ficar lá experimentando os equipamentos e botando meus projetos em prática.

Aproveite suas férias e conheça o espaço!

Para usar espaço e equipamentos tem um custo, que pode ser financeiro ou mesmo através de permuta, você oferece algumas horas de seu tempo para ensinar/colaborar com o local e em troca pode usufruir do espaço.

 


Máscara de bits aplicada à programação

terça-feira 15/11/2016

Se você é programador de computadores ou microcontroladores ou mesmo um simpatizante da eletrônica, com certeza já ouviu falar das operações lógicas ou booleanas. Certo?

Bom, neste artigo vou tratar de três operações importantíssimas na programação. São elas a operação E (AND), OU (OR) e OU Exclusivo (XOR).

Veremos como aplicá-las com o intuito de manipular bits específicos de uma variável ou registrador sem afetar os demais bits.

Recordar não faz mal a ninguém, vamos às clássicas tabelas verdades das operações que utilizaremos:

Lógica OU (OR) Lógica E (AND) Lógica OU EXCLUSIVO (XOR)
A B S     A B S     A B S
0 0 0     0 0 0     0 0 0
0 1 1     0 1 0     0 1 1
1 0 1     1 0 0     1 0 1
1 1 1     1 1 1     1 1 0

Considere nas tabelas que A e B são entradas e que S é a saída após aplicada a operação lógica correspondente.

Até aqui, nenhuma novidade, parece o mesmo de sempre.

Mas vamos tirar proveito deste conhecimento para atualizarmos um ou mais bits de uma variável ou registrador, seja com valor 0, 1 ou simplesmente invertendo o estado anterior. Para isso utilizaremos as operações descritas com o cuidado de aplicá-las a uma variável a ser atualizada e a uma segunda variável ou constante criada minuciosamente para produzir o resultado desejado de forma simples e eficaz do ponto de vista computacional.

Essa técnica é chamada de mascaramento ou simplesmente máscara de bits.

Vou separar o estudo em três casos, quando se deseja força um bit para 1, quando se deseja força para 0 e quando e deseja inverter seu estado.


1.      Máscara de OU (OR) – Força um ou mais bits para 1 sem afetar os demais

 

Variável -> 0 0 0 0 0 1 0 1 1 1 1 1 X X X X
Máscara -> 0 0 0 1 1 0 0 0 1 0 0 1 1 1 0 0
Resultado -> 0 0 0 1 1 1 0 1 1 1 1 1 1 1 X X
(a) (b) (c) (d)

Observe que nos exemplos (a), (b) e (c) sempre que existe um bit 1 na máscara o resultado da operação lógica é forçado para 1 e quando a máscara vale 0 o resultado se mantém o mesmo da variável de entrada.

O exemplo (d), representa o caso geral, onde independente da entrada, sempre que aplicada uma máscara de OU (OR) o resultado será 1 nas mesmas posições dos bits 1s da máscara e se manterá inalterado nos demais.

Exemplo de aplicação da máscara de OU (OR) em linguagem C-style:

unsigned char A = 0xF0;        //Em binário 11110000

//Desejo setar o bit 0 (lsb)

A = A | 0x01;            //A = 0xF1 ou 11110001 em binário

//Também pode ser usando a forma compacta (minha preferência)

A |= 0x01;                  //A = 0xF1 ou 11110001 em binário

Perceba que com o uso da máscara de OU (OR) os demais bits se mantiveram inalterados. Isso pode ser facilmente realizado por qualquer processador ou microcontrolador, na maioria das vezes requer apenas um ciclo de máquina (tempo necessário para executar uma instrução em linguagem Assembly).


2.      Máscara de E (AND) – Força um ou mais bits para 0 sem afetar os demais

 

Variável -> 1 1 1 1 1 0 1 0 0 0 0 0 X X X X
Máscara -> 1 1 1 0 0 1 1 1 0 1 1 0 0 0 0 0
Resultado -> 1 1 1 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 X X
(a) (b) (c) (d)

Observe que nos exemplos (a), (b) e (c) sempre que existe um bit 0 na máscara o resultado da operação lógica é forçado para 0 e quando a máscara vale 1 o resultado se mantém o mesmo da variável de entrada.

O exemplo (d), representa o caso geral, onde independente da entrada, sempre que aplicada uma máscara de E (AND) o resultado será 0 nas mesmas posições dos bits 0s da máscara e se manterá inalterado nos demais.

Exemplo de aplicação da máscara de E (AND) em linguagem C-style:

unsigned char A = 0x0F;                //Em binário 00001111

//Desejo resetar o bit 0 (lsb)

A = A & 0xFE;               //A = 0x0E ou 00001110 em binário

//Também pode ser usando a forma compacta

A &= 0xFE;                    //A = 0x0E ou 00001110 em binário

Outra forma de se aplicar esta máscara, que acho mais elegante do ponto de vista de estilo de programação, é tentar manter a ênfase aos bits que serão resetados (zerados) pela máscara. Isso quer dizer, montar a expressão de forma que fique claro quais bits serão mantidos e quais serão forçados para zero. Veja a expressão reescrita.

A = A & ~0x01;

//ou (minha preferência)

A &= ~0x01;

O operador ~ realiza o complemento do valor da máscara antes de realizar a operação lógica E, mantendo dessa forma o valor original. Essa forma de representar deixa evidente que o bit a ser forçado para 0 é o bit 0.


3.      Máscara de OU Exclusivo (XOR) – Força um ou mais bits a inverter seu estado sem afetar os demais

 

Variável -> 0 0 0 0 1 0 1 0 1 1 1 0 X X X X
Máscara -> 0 0 0 1 1 0 0 0 1 0 0 1 1 1 0 0
Resultado -> 0 0 0 1 0 0 1 0 0 1 1 1 /X /X X X
(a) (b) (c) (d)

Observe que nos exemplos (a), (b) e (c) sempre que existe um bit 1 na máscara o resultado da operação lógica é forçado para o inverso do estado inicial e quando a máscara vale 0 o resultado se mantém o mesmo da variável de entrada.

O exemplo (d), representa o caso geral, onde independente da entrada, sempre que aplicada uma máscara de OU Exclusivo (XOR) o resultado será o inverso (complemento) nas mesmas posições dos bits 1s da máscara e se manterá inalterado nos demais.

Exemplo de aplicação da máscara de OU Exclusivo (XOR) em linguagem C-style:

unsigned char A = 0x0F;                //Em binário 00001111

//Desejo inverter o bit 0 (lsb)

A = A ^ 0x01;                 //A = 0x0E ou 00001110 em binário

//Se aplicar novamente usando a forma compacta (minha preferência)

A ^= 0x01;                      //A = 0x0F ou 00001111 em binário

//Se aplicar mais uma vez

A ^= 0x01;                      //A = 0x0E ou 00001110 em binário

Perceba que com o uso da máscara de OU Exclusivo (XOR) os demais bits se mantiveram inalterados. Se você é da “eletrônica” e faz seus projetos com microcontrolador, com certeza já precisou fazer um LED piscar. Esta é uma forma bastante simples de fazer isso!

As técnicas apresentadas foram exemplificadas com apenas um bit sendo alterado, mas com demonstrado nos exemplos com expressões lógicas, você pode alterar quantos bits quiser.


Resumão

Máscara de OU (OR) – Força um ou mais bits para 1

A = A | máscara;               //Onde tem 1 vai para 1

A |= máscara;

Máscara de E (AND) – Força um ou mais bits para 0

A = A & máscara;             //Onde tem 0 vai para 1

A |= máscara;

Máscara de OU Exclusivo (XOR) – Inverte um ou mais bits

A = A ^ máscara;              //Onde tem 1 é invertido

A ^= máscara;


 

Vídeo com essas explicações no YouTube:

 

 


C# – Visual Basic Power Packs

domingo 23/10/2016

Olá pessoal!!!

Nesse post quero apresentar para você um recurso do Visual Studio que pode agregar bastante em nossos aplicativos escritos em C# para Windows Forms seu nome é Visual Basic Power Packs.

Separei o post em 5 perguntas e respostas que vão desde do entendimento até a utilização.

O que é?

Microsoft.VisualBasic.PowerPacks é um namespace que contém classes para os controles  Visual Basic Power Packs.

Os controles do Visual Basic Power Packs são controles adicionais para formulários do Windows.

Elas foram lançadas originalmente como suplementos e a partir da versão 2015 estão incluídos no Visual Studio.

Para que servem?

Apesar de serem poucos controles, eles permitem com que façamos coisas muito interessantes sem muito esforço como apresentar os dados de um banco de dados de forma customizada e prática, desenhar formas geométricas sobre o formulário e imprimir o formulário na sua impressora favorita.

Onde baixar?

Se você está usado o Visual Studio em uma versão anterior a 2015, pode baixar Microsoft.VisualBasic.PowerPacks diretamente do site da Microsoft através do link:

https://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=25169

Como instalar?

1.Após baixar o arquivo VisualBasicPowerPacks3Setup.exe (2,78MB) execute-o seguindo o passo a passo do instalador;

2.Abra o Visual Studio e abra um projeto C# para Windows Forms;

3.Abra a janela Caixa de Ferramentas (ToolBox) através do menu Exibir (View) e clique com o botão direito sobre a janela e escolha a opção Adicionar Guia (Add Tab). Nomeie como “Visual Basic Power Packs”;

4.Expanda sua Guia, clique com o botão direito e escolha a opção Escolher Itens… (Choose Item);

escolher-item-da-caixa-de-ferramentas-1

5.Espere acabar de carregar todos os itens, escreva no campo Filtrar (Filter) a palavra “Power”, selecione os itens que desejar e clique em OK;

escolher-item-da-caixa-de-ferramentas-2

6.O resultado esperado é o seguinte:

caixa-de-ferramentas

Como usar?

A figura baixo mostra o uso dos principais recursos. Na verdade são muito parecidos com os controles tradicionais do Visual Studio.

form-power-packs

Já para usar o printForm1 criei dois botões, um para impressão direta na sua impressora padrão e outro para apresentar uma tela de preview antes da impressão. Veja o código a seguir:

private void bImprimir_Click(object sender, EventArgs e)
{
printForm1.PrintAction =
System.Drawing.Printing.PrintAction.PrintToPrinter;
printForm1.Print(); //Imprime na impressora padrão
}

private void bPreview_Click(object sender, EventArgs e)
{
printForm1.PrintAction =
System.Drawing.Printing.PrintAction.PrintToPreview;
printForm1.Print();
}

Postei um vídeo no YouTube com esse passo a passo e mais alguns detalhes.

Se tiverem alguma dúvida ou sugestão é só me escrever.

Prof. Leandro


Simulador PIC16 com Interface Gráfica

quinta-feira 18/08/2016

Os microcontroladores PIC da Microchip são sem dúvida os mais populares no Brasil. Isso se comprova tanto no meio acadêmico como no meio industrial.

  • Muitos livros já foram escritos sobre as famílias PIC16, PIC18, PIC24 e PIC32.
  • Existem milhares de sites sobre o assunto com textos explicativos, exemplos e vídeo aulas.
  • Você pode encontrar no mercado muitos modelos de kit didáticos custando desde pouco menos de R$100,00 a mais de R$1000,00.
  • Você também pode montar seu próprio kit de desenvolvimento.
  • Se quiser pode simular seus programas na própria interface do MPLABX ou através do Proteus (software para desenvolvimento de esquema e leiaute eletrônico), este último precisa de uma licença paga.

Neste post quero oferecer uma excelente ferramenta gratuita para testes e depuração dos seus projetos e estudo da arquitetura PIC16. Seu nome é Simulador KIT SENAI PIC16 e foi desenvolvido no SENAI Anchieta (São Paulo) com ajuda de dois alunos do curso de Tecnologia em Eletrônica Industrial (Matheus Veronese Quezini e Victor Carbón Ferreira).

Atualmente sou o responsável pelo desenvolvimento do mesmo e faço as correções necessárias.

Simulador KIT SENAI PIC16

Como você pode ver na imagem, é um kit virtual bastante completo com chaves, teclado, leds, displays de 7 seguimentos, LCD, entradas analógicas e porta serial.

Todos esses periféricos podem ser simulados!!! O esquema elétrico do kit auxilia no entendimento das ligações (aba Esquema Elétrico).

Para utilizá-lo é bastante simples, basta carregar o arquivo com extensão “.hex” gerado por qualquer ambiente de desenvolvimento como MPLAB, CCS e MICRO C. Os arquivos “.hex” estão em código de máquina no padrão Intel Hex e podem ser gerados independente da linguagem de programação e compilador. Para não ficar dúvida: esse é o mesmo arquivo que o gravador utiliza durante a gravação física do microcontrolador real.

Seguem os links para baixar o instalador e/ou o pacote de arquivos que pode rodar diretamente de seu pendrive.

Instalador: Setup_Simulador KITSENAI PIC16_v3r2.exe

Pacote de arquivos: Simulador KIT SENAI PIC16_v3r2.zip

Junto ao programa segue uma pasta com vários exemplos de arquivos “.hex” para demonstração do funcionamento do periféricos.

Além da interface gráfica, é possível simular passo a passo o programa e visualizar todos os registradores do microcontrolador (aba Memórias).

Assista ao tutorial sobre seu funcionamento:

Se alguém precisar de mais informações, é só me escrever…

Abraços,

Prof. Leandro

 


Quer saber mais sobre a “Eletrônica Industrial”?

sexta-feira 19/02/2016

Olá amigos,

Esta semana veio ao ar no canal Futura o programa FUTURA PROFISSÃO que tratou sobre a profissão de Tecnólogo em Eletrônica Industrial.

Parte das gravações foram feitas na Faculdade SENAI Anchieta, onde trabalho, no final do ano passado. Convido você a assistir o programa que já está disponível no YouTube (link abaixo.

Futura Profissão | Tecnólogo em Eletrônica Industrial

Gostou do assunto? Quer se especializar na área?

A Faculdade SENAI Anchieta, além da graduação, tem dois cursos de pós-graduação para você:

  • Sistemas Eletrônicos para Controle
  • Eletrônica de potência para Sistemas para Sistemas Industriais

As inscrições já estão abertas, as aulas começam em abril.

http://eletronica.sp.senai.br/noticia/566/8443/pos-graduacao-inscricoes-abertas

pós-senai

Abraços,

Prof. Leandro


Quem nunca quis ser um Jedi?

quarta-feira 13/01/2016

Hoje enquanto estava dando um giro pela net, me deparei com uma pegadinha do Silvio Santos. Desta vez nada de assustar os outros. Um senário espacial de “Star Wars” foi criado para fazer crianças crerem que poderiam ser Jedis de verdade.

Com direito ao mestre Yoda, C3P-O, R2D2, Darth Vader e sabre de luz!!!

Muito, muito, muito bom!!! Quem dera que eu nessa idade pudesse participar…

Pegadinha Silvio Santos – Star Wars

 

Que a força esteja com vocês!